Desde: 01.06.2011

Desde: 01.06.2011
“O valor da tarefa não está na presença pessoal do missionário, mas no conteúdo espiritual do seu verbo, da sua exemplificação e da sua vida” (Paulo e Estevão. Emmanuel/JC). Seções: *Arte; *Aprimoramento; *Dúvida; *Espiritualidade; *Humor; *Jurisprudência; *Reflexão. É possível enviar notícias para este periódico, advindas de outras páginas (citando a fonte) ou inéditas. Basta que sejam relacionadas a atividades relevantes dos movimentos sociais (sindicalismo, trabalho, jurídicas de relevância social e demais que envolvam causas coletivas da sociedade em geral). As matérias devem ser enviadas para análise para o email: clovisrenatof@yahoo.com.br / Contato: (85) 9901.8377

terça-feira, 12 de junho de 2012

SUSPENSO MANDADO DE PRISÃO EXPEDIDO CONTRA AVÓS QUE NÃO PAGARAM PENSÃO ALIMENTÍCIA


O ministro Antonio Carlos Ferreira, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), deferiu o pedido liminar em habeas corpus impetrado pela defesa de um casal de idosos para suspender mandado de prisão expedido contra eles por falta de pagamento de pensão alimentícia ao neto.

Em novembro de 2009, o neto ajuizou ação de alimentos alegando não cumprimento das obrigações pelo pai. Os avós sustentaram impossibilidade de pagamento, mas o juízo fixou os alimentos no valor de um salário mínimo.
Então, em julho de 2010, foi ajuizada execução de alimentos e os avós intimados a pagar o valor devido, sob pena de prisão civil. Eles impetraram habeas corpus no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que negou o pedido, sob o fundamento de não ser a prisão ilegal ou abusiva. Assim, foi decretada a reclusão por 60 dias.
Excepcionalidade
No STJ, o casal alegou que o pai do menor está vivo, trabalha, não apresenta qualquer problema e já contribui com alimentos, o que afastaria a extensão do ônus aos avós, que não possuem condições de arcar com a despesa. Sustentou, ainda, que há outros modos de executar o débito alimentar menos gravosos que o encarceramento.
O ministro, entendendo que a prisão dos avós paternos deve ser a última medida adotada, ainda mais quando o pai já paga pensão e existe nos autos a prova de, pelo menos, parte do pagamento, deferiu a liminar para sobrestar o mandado de prisão.
Antonio Carlos Ferreira solicitou informações ao juízo da 3ª Vara Cível de Santa Rosa (RS) sobre a situação das ações de alimentos movidas pelo menor contra o pai e os avós. Determinou, ainda, que os avós passassem a pagar as parcelas fixadas nos próximos meses, antes da apreciação do mérito do habeas corpus.
O número deste processo não é divulgado em razão de sigilo judicial.
Fonte: STJ

Nenhum comentário: