Desde: 01.06.2011

Desde: 01.06.2011
BOM LEMBRAR: André Luiz - ‘Os Mensageiros’: “O que nos deve interessar, todavia, é a semeadura do bem. A germinação, o desenvolvimento, a flor e o fruto pertencem ao Senhor.” (Paulo e Estevão. Emmanuel/JC): “O valor da tarefa não está na presença pessoal do missionário, mas no conteúdo espiritual do seu verbo, da sua exemplificação e da sua vida”. Emmanuel: “O tédio é sempre filho da incompreensão dos nossos deveres.”. “[...] o desencanto constitui-se um veneno da imprevidência e da irresponsabilidade”. “[...] valiosa é a escassez, porque traz a disciplina. Preciosa é a abundância porque multiplica as formas do bem”. “[...] a permanência na terra decorre da necessidade de trabalho proveitoso e não do uso de vantagens efêmeras”. "Tudo que a doutrina espirita me ensinou é que precisamos nos renovar sempre." (Chico Xavier). Há publicações conforme o mote da página: *Vida/Espiritualidade *Arte; *Direito.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

"Abraçando mandacaru" (Gérson Marques)


Fevereiro de 2017
As reformas trabalhista e previdenciária que o Governo e o capital pretendem realizar no Brasil objetivam disciplinar a vida dos trabalhadores por 50, talvez 100 ou mais anos. Nossos netos e bisnetos serão afetados por elas, recebendo o legado que nossa geração lhes transmitirá. E isso pode consistir em jornadas de 12 horas, perda do direito de férias, trabalho desenvolvido no seio familiar, invasivamente, intervalo de 15 ou 30 minutos para almoço, salários miseráveis, precarização, aposentadoria fictícia etc. Um retrocesso social sem tamanho.
Algumas entidades sindicais parecem simpatizar com certas propostas das reformas e sentam com seus autores para negociar seus termos. O argumento é o mais frágil possível: a reforma virá, inexoravelmente; então, é melhor negociar os anéis. Trata-se de concepção ingênua, equivocada. Por que a reforma virá? Porque o movimento sindical já a aceitou ao sentar na mesa para discuti-la. Ou seja: abraçou-se com mandacaru. Não atina que o ataque ao movimento sindical se legitimará, e que o próximo alvo, já prenunciado nessas mudanças, serão os direitos sindicais, o direito de greve, pois logo se fragilizará a organização sindical, revogar-se-ão as garantias e se fomentará o ódio do trabalhador contra sua entidade de classe, a qual se tornará desnecessária por não poder defender, ou por defender mal, seus representados.
Negociando as reformas trabalhista e previdenciária, o sindicalismo contribui para que sejam aprovadas efetivamente. As alterações se instalarão, assim, com o DNA sindical. Isso dará legitimidade às mudanças, mas o preço que o sindicalismo pagará será muito alto. Os trabalhadores não perdoarão, especialmente quando forem instigados pelos próprios autores das reformas, mestres que são em estimular o ódio entre as pessoas. Então, o sindicalismo compreenderá os espinhos do mandacaru.
No momento, é melhor que o sindicalismo retorne às bases e ouça o brado dos seus representados, realizando assembleias repetidas vezes ao longo do País e colhendo a opinião dos trabalhadores, já que o Governo não quer ouvi-los. E que informe aos trabalhadores, diariamente, as providências e o encaminhamento dessas questões. 
Gérson Marques
fgersonmarques@yahoo.com.br
Professor da Universidade Federal do Ceará (UFC)
Fonte: http://www.opovo.com.br/jornal/opiniao/2017/02/gerson-marques-abracando-mandacaru.html

Nenhum comentário: